25 de mar de 2011

Posted by KARINE MENDANHA DE ARAÚJO Posted on 13:25 | 1 comment

Constipação intestinal

Conhecida como prisão de ventre ou "intestino preso", a constipação intestinal é uma doença que causa dificuldade para evacuar. As pessoas que apresentam esse problema, não apresentam regularidade intestinal, podendo até ficarem dias sem evacuar.

Vários fatores levam à constipação. É sabido que, o sintoma, é mais freqüente nas mulheres do que nos homens, sem que haja explicação para isso. Os mais idosos também têm maior freqüência de constipação do que os mais jovens, o que pode ser associado à menor ingestão alimentar; perda da mobilidade; fraqueza das musculaturas abdominais e pélvica e medicações. A presença de constipação está associada à falta de resíduos dentro do cólon; perda de sensibilidade dos órgãos que desencadeiam os mecanismos da defecação; perda das contrações dos músculos envolvidos com a defecação e obstrução mecânica.

O diagnóstico da constipação intestinal é mais difícil do que o de diarréia. É um sintoma relativamente freqüente, muitas vezes conseqüente as alteraçõesfuncionais, que derivam de padrões de comportamento. É variável o que cada paciente denomina constipação. Menos do que três evacuações por semana é considerado constipação. Geralmente, o paciente refere dificuldade para evacuar, fezes duras, urgência sem que consiga evacuar, baixa freqüência de evacuações e sensação de evacuação incompleta. Em condições alimentares e de vida normais, um indivíduo evacua fezes formadas a intervalos que variam entre 06 e 72 horas.

Este problema é provocado em pessoas que consomem quantidade insuficiente de fibras e de água. Um outro fator agravante é o sedentarismo, pois a atividade física auxilia nos movimentos peristálticos (atividade muscular) do intestino.

A regularidade intestinal só é adequada quando os três fatores citados acima (ingestão de água, consumo de fibras e atividade física) são atendidos. Se o indivíduo adota este hábito, certamente será beneficiado não só na regularidade intestinal, como também em muitos outros benefícios ao organismo.

O consumo diário de alimentos industrializados, que, em sua maior parte, são processados, reflete negativamente no funcionamento intestinal, pois, durante o processamento, além de algumas vitaminas, a fibra também é retirada do alimento.

Alimentos como as frutas, legumes e verduras são excelentes fontes de fibras e micronutrientes, além destes, os cereais integrais como o arroz integral, centeio, aveia, pão integral, farelo de trigo, sementes de linhaça, entre outros, também são excelentes fontes de fibras.
Assim, medidas como a ingestão adequada de água, dieta rica em fibras e a prática de atividade física, ajuda a regularizar o funcionamento intestinal, além de trazer inúmeros outros benefícios à saúde.
Posted by KARINE MENDANHA DE ARAÚJO Posted on 11:15 | 1 comment

Obesidade

         













 De acordo com a OMS, a obesidade é uma doença crônica em que o excesso de gordura corporal acumulada pode atingir graus capazes de afetar a saúde, e reduzir a qualidade de vida. Ela tem enorme prevalência nos países desenvolvidos e em desenvolvimento; atinge homens e mulheres, de todas as idades e etnias.
           O excesso de gordura resulta de sucessivos balanços energéticos positivos, em que a quantidade de energia ingerida é superior à quantidade de necessária. Os fatores que determinam este desequilíbrio são complexos que podem ter origem genética, metabólica, ambiental e psicológica (comportamental).
          Levar uma vida sedentária, ingerir grandes quantidades de carboidratos, lipídios e
álcool; comer por ansiedade, raiva ou tristeza; período de gestação ou menopausa; uso de medicamentos antidepressivos e presença de doenças como o hipotireoidismo são alguns fatores de risco da obesidade.
          Essa doença pode causar grandes conseqüências na saúde, pois acarreta uma série de doenças como: colesterol alto,
hipertensão, doenças dificuldade de respirar, problemas hepáticos, apnéia do sono, infertilidade, amenorréia (ausência anormal da menstruação), carcinoma da mama, fadiga, diminuição das funções motoras e doenças comportamentais e psicológicas.
          Essas doenças psicológicas e comportamentais merecem uma maior atenção, pois têm sido as principais causas e conseqüências da obesidade em mulheres. O indivíduo obeso além da sua gordura corporal, leva consigo fatores psicológicos como descriminação, rejeição, auto-estima baixa, sentimentos esses que o levam a aumentar seu consumo alimentar e com isso ganhar peso. É notável que em sua maioria, obesos se tornam ou se mantém assim por fatores psicológicos que o fazem comer mais do que precisa, pois muitos buscam na comida sua válvula de escape. A obesidade um ciclo vicioso, onde se come para um bem estar, só que esse bem estar nunca vem e com isso o indivíduo continua comendo e aumentando seu peso. Seus problemas psicológicos só tendem a aumentar!
         Os principais indícios de que o paciente obeso precisa de acompanhamento psicológico são basicamente quando este está deprimido, ou se retrai e não sai de casa, rejeitando o convite de amigos. Com meninas é mais comum. As amigas chamam pra sair e a menina fica em casa, achando que todos vão ficar reparando ou não vai á praia, porque acha que todas as pessoas vão para pra olhar suas “gordurinhas”. Aproximadamente 30% das pessoas que procuram tratamento para emagrecer apresentam depressão.
        As primeiras dietas são sempre coroadas de êxito. A perda de peso na maioria das primeiras tentativas é facilmente compreendida pelo maior engajamento dos pacientes nas dietas propostas e nas várias mudanças no estilo de vida para que se disponha a fazer. No entanto, a manutenção de peso é a parte mais difícil dos tratamentos para obesidade, pois os pacientes voltam a engordar; e novas dietas são implementadas trazendo á tona a noção da fragilidade da perda de peso.
        Assim o tratamento ideal para a obesidade é a associação da dietoterapia com a psicoterapia, e dependendo do caso, a intervenção do tratamento farmacológico.   
          

8 de mar de 2011

Posted by KARINE MENDANHA DE ARAÚJO Posted on 12:12 | No comments

Cuidados com alimentação no carnaval


Consumo abusivo de álcool e alimentos gordurosos está associado ao aumento dos casos de intoxicação

Neste carnaval, pule e brinque à vontade, mas não deixe de cuidar da alimentação. O alerta é da médica clínica do Hospital Geral do Estado (HGE), Kristhyna Mello. Segundo ela, o consumo abusivo de álcool e alimentos gordurosos pode provocar o aumento de casos de intoxicações alimentares.

De acordo com a médica, doenças infecciosas como a salmonelose (infecção por Salmonella) são mais comuns nesta época do que imaginamos. “A probabilidade é muito grande durante festas como o carnaval. Pegamos Salmonella e outros germes pelas mãos e alimentos (tanto sólidos como líquidos) contaminados. A bactéria não altera o sabor dos alimentos imediatamente. E só a manipulação descuidada já pode contaminar um alimento anteriormente sadio”, disse.

Kristhyna explica que a Salmonella é transmitida ao homem através da ingestão de alimentos contaminados com fezes de animais. “Estes alimentos apresentam aparência e cheiro normais e a maioria deles é de origem animal, como carne de gado, galinha, ovos e leite. Entretanto, todos os alimentos, inclusive vegetais, podem tornar-se contaminados. É muito frequente a contaminação de alimentos crus de origem animal”, afirmou.

De acordo com ela, entre as 12 horas e três dias após a ingestão do alimento contaminado é possível apresentar diarreia, dor de barriga (dor abdominal tipo cólica), vômitos e febre. São sintomas que, segundo ela, podem durar de três a sete dias.

“Se as pessoas não lavam adequadamente as mãos (com água e sabão ou sabonete), as frutas, as verduras e os utensílios de cozinha arriscam-se não só a serem infectados e desenvolver a doença, mas também a causar a doença nos outros”, alertou a médica.

Em algumas pessoas infectadas, a diarreia pode ser severa, ocasionando a desidratação e sendo necessária a hospitalização. “Os idosos, crianças e aqueles com as defesas diminuídas são os grupos mais prováveis de obter a forma mais severa da doença. Uma das complicações mais graves é a difusão da infecção para o sangue e daí para outros tecidos, o que pode causar a morte, caso a pessoa não seja rapidamente tratada”, informou.

Precauções simples, como comer alimentos bem cozidos (o cozimento dos alimentos contaminados mata a Salmonella) e não comer maionese fora de casa, evitam a infecção. “Também é importante evitar alimentos de procedência desconhecida. Esses tipos de comida geralmente são feitos sem os devidos cuidados de higiene. A dica é utilizar alimentos leves, como frutas e legumes, de preferência, sem consumí-los no meio da rua, em carrocinhas”.

Deve-se evitar ainda o consumo de carnes mal passadas ou cruas. “Esse tipo de alimento, associado ao calor, aumenta o risco de intoxicação alimentar. Evite sanduíches gordurosos e excessos de frituras como pastel, coxinha e outras coisas que, embora bem gostosas, só trazem danos à saúde”.
Outra dica importante é consumir muito líquido para manter o corpo hidratado. “Além da água natural, outras opções são os sucos de fruta e água de coco, além das bebidas isotônicas. E, em casos de infecções, ter sempre em mãos a receita do soro caseiro", emendou a médica.

- Segue a receita: um copo de água filtrada (ou fervida) e fria (200 ml), uma colher (chá) de açúcar e 1/2 colher (café) de sal e sempre procurar uma unidade de saúde nos casos mais graves”, orientou Kristhyna Mello.

Posted by KARINE MENDANHA DE ARAÚJO Posted on 11:43 | No comments

Bon Appetite - Especial Kids!

Eu me lembro que, quando era criança, minha mãe nunca me deixava cozinhar. Muitas vezes, as receitas exigiam um nível de habilidade muito alto para minha idade, iam ao fogo, ou precisava usar faca. Daí, minhas experiências se resumiam em fazer sucos sem gelo, daqueles saquinhos indrustrializados...

Pensando nisso, "Gulosinha" estreia um cantinho reservado para a garotada! O "Especial Kids" tem como objetivo incentivar os 'pequetuchos' à gostarem de cozinhar, a inventarem receitas, e, acima de tudo, optarem por alimentos saudáveis. O bom, é que as receitas são sempre fáceis, gostosas, e não vão ao fogo ( como já dizia Eliana na época em que ela ainda cantava a música dos dedinhos: criança, fogo e tesousa-de-ponta não combinam!).
Enfim, um jeito único de animar às tardes: cozinhar brincando!

Bon Appetite!




fonte Terra Culinária
  • Karine Mendanha

    Biografia